Printer-friendly version

Estudos do Livro de Mórmon: Dúvidas de Uma Autoridade Geral sobre a Autenticidade do Livro de Mórmon

Resenha do Livro Studies of the Book of Mormon, de B. H. Roberts

studies-of-the-book-of-mormon.jpg

Studies of The Book of Mormon

B. H. Roberts, Studies of the Book of Mormon, 2nd edição (Salt Lake City: Signature Books, 1992), 377 páginas, paperback, ISBN 1-56085-027-2

Por mais incrível que pareça a muitos Santos dos Últimos Dias, Brigham H. Roberts (1857-1933), uma Autoridade Geral SUD amplamente considerada o maior apologista e historiador do Mormonismo1, expressou a sérias dúvidas de que o Livro de Mórmon é uma tradução de escrituras antigas . O Élder Roberts chegou a essa conclusão depois que sua pesquisa descobriu evidências extensas de que Joseph Smith copiou o enredo básico e muitos detalhes de outros livros. Esta evidência - há muito suprimida por ser considerada prejudicial para a Igreja Mórmon - é apresentada em detalhes em três ensaios de Roberts, agora publicados como Studies of the Book of Mormon (Salt Lake City: Signature Books, 1992).

Mais de oitenta anos após sua morte, Roberts ainda é bem conhecido através de seus muitos escritos, entre eles:

  • Introdução e Notas ao livro de Joseph Smith, "História da Igreja", seis volumes;
  •  "Uma História Abrangente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias";
  • "Esboços da História Eclesiástica e Novas Testemunhas para Deus".

No entanto, em 1922, Roberts tomou conhecimento de evidências preocupantes de que Joseph Smith tomou emprestado boa parte do enredo e outros detalhes do Livro de Mórmon de outros livros disponíveis para ele2, em particular Wonders of Nature and Providence de Josiah Priest e View of the Hebrews, de Ethan Smith's. Por exemplo, muitos afirmam que a ideia presente no Livro de Mórmon, de que  os índios americanos são descendentes de imigrantes hebreus jamais poderia ter sido inventada pelo jovem Joseph Smith; mas Roberts descobriu, a partir do livro de Priest, publicado em 1824 - seis anos antes da primeira edição do Livro de Mórmon (1830) - que era a opinião quase universal dos ministros da Nova Inglaterra e dos Estados do Oriente que os índios eram os descendentes dos Hebreus (Studies, página 153).

Em 1922 Roberts se tornou ciente de evidências preocupantes de que Joseph Smith copiou muito do enredo e detalhes do Livro de Mórmon de outros livros que estavam disponíveis a ele.

No livro de Ethan Smith, View of the Hebrews, publicado pela primeira vez em 1823, sete anos antes do Livro de Mórmon (e em uma segunda edição em 1825), Roberts descobriu uma planta virtual para o Livro de Mórmon. Na Seção 2 de Estudos do Livro de Mórmon, intitulada "Um Estudo do Livro de Mórmon", Roberts leva quase 100 páginas para descrever os paralelos específicos entre View of the Hebrews e o Livro de Mórmon.

A obra de Ethan Smith fornece material estrutural para o Livro de Mórmon de Joseph Smith? Roberts foi forçado a admitir que a evidência apontava nessa direção:


B. H. Roberts

Brigham Henry Roberts

Brigham Henry Roberts (1857-1933)

“Foi apontado nestas páginas que há muitas coisas no livro anterior[View of The Hebrews] que poderiam muito bem ter sugerido muitas coisas importantes no outro [Livro de Mórmon]. Não poucas coisas meramente, uma ou duas, ou meia dúzia, mas muitos; E é este fato de muitas coisas de similaridade e a força cumulativa deles que os torna uma ameaça tão séria à história de Joseph Smith sobre a origem do Livro de Mórmon (...) O material no livro de Ethan Smith é de um caráter e quantidade para fazer um ‘plano básico’ para o Livro de Mórmon” (Studies, pag.240 – Em tradução livre) 

Tendo estabelecido que Joseph Smith tinha abundância de material para obter suas ideias para o Livro de Mórmon, Roberts move-se para uma segunda questão-chave: O jovem Joseph Smith tinha habilidade criativa o suficiente para tecer uma narrativa como o Livro de Mórmon? 

“(...) Joseph Smith possuía uma imaginação suficientemente vívida e criativa para produzir uma obra como o Livro de Mórmon a partir de materiais como foram indicados nos capítulos anteriores( ...)? Que tal poder de imaginação teria que ser de alta ordem é concedido; Que Joseph Smith possuía tal dom da mente, não pode haver dúvida” (Studies, pag.243– Em tradução livre). 

Uma das coisas que convenceu Roberts disso é o testemunho da mãe de Joseph, Lucy Mack Smith. Ela escreveu o seguinte sobre as habilidades criativas de seu filho:

“Durante nossas conversas à noite, Joseph ocasionalmente nos dava alguns dos recitais mais divertidos que se podia imaginar. Ele descreveria os habitantes antigos deste continente, seu vestido, modo de viajar e os animais em que cavalgavam; suas cidades, seus edifícios, com cada detalhe; seu modo de guerra; E também sua adoração religiosa. Isso ele faria com tanta facilidade, aparentemente, como se tivesse passado toda a sua vida entre eles” (Studies, pag. 243– Em tradução livre).

A partir deste testemunho é evidente que Smith era conhecido por sua própria família como um grande contador de histórias. E o significado desta narração noturna, Roberts aponta, é que Joseph estava fazendo tudo isso antes de ter supostamente recebido as placas de ouro do anjo Morôni (Studies, pag. 224).

Com base nessa evidência, Roberts tira a seguinte conclusão:

“Estes recitais noturnos não poderiam vir de outra fonte senão a imaginação vívida e construtiva de Joseph Smith, um poder notável que o acompanhou durante toda a sua vida. Era tão forte e variado como o de Shakespeare e não ficava a dever aos antigos trovadores ingleses”. (Studies, pag. 244– Em tradução livre).

Declarações como estas nos ajudam a entender por que os líderes da Igreja SUD não queriam o material de B. H. Roberts em circulação. E ainda hoje, muitas pessoas ainda não têm conhecimento das evidências compiladas por este conhecido apologista e historiador mórmon. Felizmente, esta fascinante investigação é agora facilmente acessível a todos aqueles que querem uma compreensão mais completa das verdadeiras origens do Livro de Mórmon.

NOTAS


1.  Roberts foi considerado o maior intellectual da História Mórmon em pesquisas feitas pelos estudiosos SUD Leonard Arrington em 1969 e Stan Larson em 1993 — veja Leonard J. Arrington, "The Intellectual Tradition of the Latter-day Saints," em Dialogue: A Journal of Mormon Thought 4 (Primavera de 1969), páginas. 13-26 e Stan Larson, "Intellectuals in Mormonism: An Update," em Dialogue: A Journal of Mormon Thought 26 (Outono de 1993), páginas. 187-89.

2.  Wonders of Nature and Providence, deJosiah Priest, foi publicado no Estado de Nova York, apenas vinte milhas de onde a família Smith residia entre 1815 e 1830, e View of the Hebrews de Ethan Smith foi publicado em Poultney, Vermont, a poucas milhas de Windsor, Vermont, onde a família de Joseph Smith viveu até que ele tivesse dez anos de idade. Roberts considerou "provável" que o livro de Ethan Smith tenha sido "possuído por Joseph Smith ou certamente conhecido por ele, pois estava certamente disponível para ele." — Studies of the Book of Mormon, p. 153.