Printer-friendly version

Did Joseph Smith See God the Father in the First Vision?

Joseph Smith Viu Deus o Pai na Primeira Visão?

Por:
Traduzido por:
 

Um elemento fundamental da fé Mórmon é a crença na Primeira Visão, em que Joseph Smith afirmou que o Pai e o Filho apareceram pessoalmente a ele na primavera de 1820 (Joseph Smith-História 1:14). Existem muitas razões para questionar a veracidade da Primeira Visão. Neste breve artigo, no entanto, apenas uma pergunta muito específica será considerada: Será que Joseph Smith viu Deus o Pai, naquela visão?

Joseph Smith produziu vários relatos da Primeira Visão (ou algo semelhante) entre 1832 e 1844. De acordo com o primeiro destes relatos, Joseph viu "o Senhor", isto é, o Senhor Jesus. No entanto, de acordo com o relato de 1838 publicado em Joseph Smith - História, ele viu "dois personagens", o Pai e o Filho. Se Joseph realmente viu o Pai desde o princípio, como se explica a omissão desta ocorrência no primeiro relato?

É verdade que o relato de 1832, não nega que o Pai estava presente, e assim se poderia descartar essa crítica como um argumento de silêncio. Por outro lado, a aparência visível do Pai ao lado do Filho é certamente um dos elementos mais significativos desta história. Certamente foi considerado dessa forma historicamente pelas autoridades SUD. Gordon B. Hinckley (Presidente da Igreja SUD, 1995-2008) comentou sobre a singularidade deste aspecto da visão: "Em nenhum outro momento da qual tenhamos qualquer registro Deus, nosso Pai Eterno e Seu Filho Amado, o Senhor ressuscitado, apareceram na terra juntos .... Nada semelhante jamais aconteceu antes "1 É por isso que o seguinte argumento apresentado pelo apologista Mormon Michael Ash não é válido:

Nada nos relatos de 1832, estabelece, no entanto,, que houve apenas um personagem. Se você disser a alguém que você visitou o presidente dos Estados Unidos, isso significa que o Vice-Presidente e Primeira-Dama não estavam presentes?2

A defesa de Ash contra a objeção sai pela culatra. A situação é mais parecida com alguém relatando que ele havia visitado o Vice-Presidente, mas deixando de mencionar que ele também tinha visto o Presidente! Mais uma vez, a suposta aparência visível do Pai ao lado do Filho na floresta é considerada pelos Mórmons como um elemento essencial da visão e como um evento único na história da Revelação (o que realmente seria). Sua omissão, se fosse factual, não poderia ser explicado como uma diferença "menor" ou como uma questão de "ênfase" ou "foco".

Um artigo recente no LDS.org sobre a Primeira Visão reconhece o problema e sugere que o relato de 1832, pode referir-se a duas pessoas divinas com o mesmo título -  "O Senhor". O artigo propõe que, no relato de 1832, a declaração "o Senhor abriu os céus em cima de mim e eu vi o Senhor” significava que o Pai abriu os céus e depois Joseph viu o Filho, Jesus Cristo..3 Mesmo se essa explicação fosse correta, o relato de 1832 ainda estaria em conflito com o relato de 1838. Suponha que a citação anterior signifique, "O Pai abriu os céus em cima de mim, e eu vi o Filho." Isto ainda significa que Joseph viu apenas uma pessoa divina, não duas.

Além disso, a interpretação de que "o Senhor" se refere ao Pai, em primeira instância, mas ao Filho em segunda instância é ad hoc e mesmo forçada. Como Stan Larson, um Mórmon (embora pouco ortodoxa) apontou, a passagem usa o título "Senhor" repetidamente sem qualquer indicação de que ele se refere a duas pessoas divinas diferentes.4 Uma revisão das ocorrências do título do relato de 1832 reforça o ponto de Larson:

Eu descobri que a humanidade não veio ao Senhor ...
Clamei ao Senhor por misericórdia ....
E o Senhor ouviu o meu clamor no deserto ....
E enquanto na atitude de invocando o Senhor ....
E o Senhor abriu os céus em cima de mim e eu vi o Senhor ....
Eis que eu sou o Senhor da glória. Eu fui crucificado para o mundo ....
E o Senhor estava comigo ....

A alegação de que o relato de 1832 quis dizer que Joseph viu dois personagens, portanto, simplesmente não é plausível (mesmo se isso  fosse possível). Tal como está, o relato de 1832 é incompatível com o de 1838,  que integra a publicação Joseph Smith - História, a qual os Mórmons aceitam como Escritura. Tampouco a diferença entre os dois relatos - com relação a quem visitou Joseph -  é uma questão de mero detalhe incidental omitido anteriormente. Muito pelo contrário, esta é uma grande discrepância que reflete o fato de que a teologia de Joseph foi se desenvolvendo e mudando na década de 1830. Este fato pode ser percebido a partir de uma análise das revelações, materiais de ensino, sermões, e supostas traduções inspiradas que ele produziu ao longo da década.

No início dos anos 1830, Joseph era adepto de algo próximo da visão cristã tradicional da doutrina da Trindade (veja o Depoimento de Três Testemunhas; 2 Ne 31:21; Mórmon. 7: 7; D & C 20:17, 28; Moisés 7 : 29, 31). Não faria sentido em sua teologia no momento ter o Pai e o Filho, aparecendo na terra em forma corpórea lado a lado. Em Lectures on Faith, de 1835, publicação que Joseph supervisionou e aprovou, o Pai foi entendido como um "personagem de espírito" e o Filho "um personagem de tabernáculo", isto é, com um corpo físico (Lectures on Faith 5.2). Embora as duas "personagens" são mais bem diferenciadas, ainda neste momento a ideia de uma aparência literal das duas pessoas divinas na Terra não se ajustaria à teologia ajuste de Joseph.

No final dos anos 1830, no entanto, a cosmovisão monoteísta de Joseph foi se esfacelando, e ele aparentemente passou a ver as três pessoas da Trindade como três seres separados e até mesmo, talvez, como três Deuses. Em uma revelação de 1839, Joseph anunciou que a hora estava chegando quando seria conhecido "se há um Deus ou muitos deuses", e quando outras verdades seriam reveladas "De acordo com o que foi determinado,no meio do Conselho do Eterno Deus de todos os outros deuses, antes que este mundo existisse"(D & C 121: 28, 32). Em 1843 Joseph já ensinava publicamente que Deus Pai não era, como indicado nas Lectures on Faith, um “personagem de espírito” em oposição a um “personagem de tabernáculo”, mas uma pessoa com "um corpo de carne e ossos tão tangível como o do homem" (D & C 130: 22).

Em suma, a afirmação de Joseph em 1838 de que ele tinha sido visitado em 1820 pelo Pai e pelo Filho como dois personagens separadamente visíveis, portanto, reflete o estágio de desenvolvimento teológico de Joseph naquele momento.5 Esta evidência apóia a conclusão de que a Primeira Visão foi uma ficção , inventada por Joseph depois que ele fundou a Igreja SUD e que ele continuou a alterar ao longo do tempo para se adequar a sua doutrina na medida em que esta era alterada.

NOTAS

1. Gordon B. Hinckley, “The Stone Cut Out of the Mountain,” Ensign, Nov. 2007, 84.

2. Michael R. Ash, Shaken Faith Syndrome: Strengthening One’s Testimony in the Face of Criticism and Doubt, 273-79, 2nd ed., expanded and rev. (Redding, CA: FAIR [now FAIRMormon], 2013), 277.

3. First Vision Accounts,” LDS.org. See also James B. Allen and John W. Welch, “The Appearance of the Father and the Son to Joseph Smith in 1820,” in Exploring the First Vision, ed. Samuel Alonzo Dodge and Steven C. Harper (Provo, UT: BYU Religious Studies Center, 2012), 72-73.

4. Stan Larson, “Another Look at Joseph Smith’s First Vision,” Dialogue 47, 2 (Summer 2014): 52.

5. See further Luke P. Wilson, “Joseph Smith’s Changing Doctrine of Deity” (Grand Rapids: IRR, 1995).